segunda-feira, outubro 17

Ramalho Ortigao

A construção do bairro azul teve início, na década de trinta, precisamente pela frente António Augusto de Aguiar/ Ramalho Ortigão. A configuração desta última rua era semelhante à actual configuração da Av. Ressano Garcia ou da R. Fialho de Almeida: passeios largos, apenas duas faixas de circulação automóvel.

Na década de setenta, a ramalho ortigão sofreu a transformação que agora lhe conhecemos: uma rua de um bairro tradicional, é desventrada, e transformada num atravessamento para os automóveis que entram e saem da cidade. Circula-se a velocidades que resultam em atropelamentos e sustos, as pessoas atravessam a rua amedrontadas, crianças e idosos em risco particular.

Em 2003, com as limitações ao transito no viaduto Duarte Pacheco e no bairro azul (que excluiram a ramalho ortigão), os níveis de poluição aumentaram drásticamente. A rua ficou ainda mais "estrada", os habitantes e o bairro mais ameaçados. Um bairro que, pela sua história e património, devia ser exemplar, preservado de atentados deste género.


Relancemos um olhar, mais atento, para a imagem da RO (pressionando para a aumentar): ausência de árvores, de comércio, peões espartilhados entre parede e automóveis em passeios reduzidos, varridos por uma "auto-estrada" de 4 faixas, para acelerar ....



Observe-se nestas duas fotos, a título de exemplo, uma rua, talvez com as dimensões da RO, num bairro de Amsterdão. Convite a fruir o passeio, viver a rua e o seu comércio, sem excluir o automóvel. Vive-se a cidade. E dá que pensar.

4 comentários:

Tiago disse...

Dá pena que as pessoas não percebam ou não se queiram ar ao trabalho de se unir, de protestar, de exigir qualidade de vida.

Exemplos como este fazem-me cada vez mais ter vontade de fugir deste país.

fg disse...

Sou Lisboeta, sempre vive em Lisboa até há cerca de 1 ano, quando me mudei para a Holanda. Vivo em Amesterdão, a capital, e vejo nela tantas ideias que se podiam aplicar a Lisboa. Sobretudo no combate aos carros, ao estacionamento mal gerido e à falta de espaços verde.

Parabéns pela iniciativa. Não baixem os braços, por favor. Cuidem da nossa Lisboa.

Filipe Gil

Editor disse...

Filipe Gil

Se por aqui voltar, envie-nos por favor seu email. Era interessante trocarmos impressões àcerca da sua experiencia urbana na Holanda, talvez enviar-nos também fotos de observações suas.

Obrigado
Aníbal Henriques

fg disse...

Claro que sim, tudo o que necessitarem façam o favor de dizer.

Mail: filipegil@iol.pt
Blogue: www.desocas.blogspot.com

Abraços
Filipe Gil